segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Os erros do Lula, Dilma e PT

Cantei a pedra antes das urnas, mas propriamente no dia 24 de setembro (veja aqui). A Dilma foi um erro político do Presidente e do PT. Este foi o primeiro de muitos. Esboço 13 erros capitais que ocorreram no primeiro turno e que levaram ao segundo:

1) A Dilma nunca participou diretamente de uma eleição e não sabia o sabor da disputa. Enfrentar as ruas não é o mesmo do que ser um técnico do governo a assessorar o Presidente e sim a verdade de olhar na cara do eleitor e mostrar o tamanho de sua luta de vida e o que de fato isto influenciará na vida deles nos próximos quatro anos.

2) O Presidente tem esta popularidade não é de hoje. Isto faz parte de uma construção de anos. Lula já disputou cinco eleições e experimentou nas urnas a vontade popular. O desempenho dele se deu de forma orgânica edificada em cada canto do país, com acordos políticos e um amplo apoio social de entidades não governamentais, associações, etc. A própria história do PT mostra isso!

3) A Dilma não é um simpatia natural, mas nem o Serra é. O que conta são as experiências administrativas e o poder de liderança. O alcance da liderança da Dilma está na composição partidária e nos resultados do governo Lula.

4) A Dilma teve que se justificar nos últimos dias de campanha em temas relevantes, como a legalização do aborto e sua cristandade, despertando desconfiança no eleitor em um país constitucionalmente laico, mas socialmente cristão.

5) O Presidente partiu para ofensiva contra a imprensa e não teve sabedoria para compreender que as imagens são editáveis e que podem surtir efeitos negativos, comprovados ao abrir as urnas.

6) O Presidente foi arrogante com a oposição anunciando a extirpação de um partido legalmente constituído tão explorado pela mídia jornalística e que lhe rendeu índices chavistas, não aceitos pela população brasileira. O discurso é regado de ódio contra um expoente democrata Jorge Bornhausen, que há quatro anos deferiu palavras preconceituosas contra o Presidente e seu partido quando disse que eliminaria esta raça ao tratar de Lula e do PT.

7) Dilma não recebe os programas humorísticos de grande audiência como o CQC e o Pânico (para citar dois exemplos). Pode parecer simples, mas o público que os assiste, principalmente o CQC, é muito politizado e que mede na balança os principais presidenciáveis e leva para a urna um acontecimento de momento que o desagrada em certas atitudes dos candidatos.

8) Os votos em Marina Silva eram das pessoas que não queriam o plebiscito anunciado por Lula contra Fernando Henrique e sim que o Brasil não pode ser como uma laranja e o eleitor a faca que separa dois extremos, mas uma pluralidade de ideias e projetos de desenvolvimento nacional.

9) A Dilma tem que mostrar mais a sua cara para população e não apenas  nos avanços do governo Lula. O eleitor vota em projetos futuros e não no que está dando certo. O que tem progresso tem que ser continuado, mas o que não está? Quais são os projetos dos candidatos para mudar este cenário? Como ela abordará temas complexos com as reformas política e tributária?

10) Existe um núcleo conservador no Brasil, que tem muito poder, que estava em campos opostos a Dilma na ditadura militar quando ela não buscou um meio pacífico de democracia, como nos moldes do Lula, Eduardo Suplicy, para citar dois exemplos. Ela fez sua base política no PDT de Brizola e na defensa das lutas armadas. Hoje, muitos a comparam as FARC. Como mudar este discurso? Qual a verdadeira ideologia Dilma que o eleitor votará? Ela deverá responder estas perguntas para garantir segurança ao eleitor no sufrágio universal de 2º turno.

11) O PT se perdeu em buscar uma liderança construída de sua base política compactuada com o grupo político do ex-ministro José Dirceu, que hoje só tem status dentro do partido e não do senso comum. Quem dominará é o Dirceu?

12) O PT coligou-se ao atraso político brasileiro, como os vertentes José Sarney, Renan Calheiros, Fernando Collor de Melo, dentre outras peças. Além de perder o discurso, o partido da presidenciável aceitou partido que tem como expoente o Tiririca como o mais votado e puxador de votos, até de quadros que considero bons dentro do PT e que possui um discurso político mais coerente.

13) Por fim, o mais grave de todos. Os escândalos de Erenice Guerra e sua família. Como pode a principal assessora da presidenciável constituir uma quadrilha a roubar os cofres do estado? Qual a moral e a ética dessa gente? Viraram discursos apenas? São questionamentos sérios, até porque aqui em Brasília o candidato eleito de maior envergadura proporcional no Brasil, José Antônio Reguffe, venceu por defender a bandeira da ética e a postura positiva que teve na Câmara Legislativa do Distrito Federal ao respeitar a coisa pública, que morfologicamente originou o nome República.

São treze as razões que a Dilma perdeu no primeiro turno, além da arrogância, que deverão ser respondidas neste segundo turno. Os eleitores precisam saber em quem eles estão votando. Até porque o Lula não é Dilma e Dilma não precisa ser Lula para o Brasil seguir mudando, conforme o slogan de campanha.

2 comentários:

Anônimo disse...

A verdade é que não temos boas opções nesse 2º turno. Temos uma candidata inventada que se esconde atrás de um presidente muito popular e temos um candidato que esconde um presidente de seu partido que foi muito impopular mas que também fez coisas boas. Esses constantes escândalos no PT me desistimula a votar em Dilma. Não sei se tanta coisa errada apareceu no governo do PT pela transparência em apurar (não acredito nisso) ou pela dificuldade do PT em esconder tais fatos. De qualquer forma não está correto colocar o futuro do país nas mãos de pessoas assim. Isso está me forçando a votar em branco, pois não acredito que Serra será a solução disso. Falando em Serra, é um candidato que veio de uma oposição que passou 8 anos buscando escândalos para derrubar o governo do PT ao invés de sair nas ruas e ver o que o povo está precisando e, na base do desespero, está prometendo muita coisa que não vai poder cumprir para tentar conquistar o eleitor mais desinformado. Está difícil votar em um desses 2. Estou tentado a votar em branco.

Um abraço,

Leonardo.

Sérgio Ricardo disse...

Leo, eu e você estamos no mesmo barco.
Mas eu não costumo ficar em cima do muro.

O Serra é demagogo e quer ganhar o voto cativo do Lula na mentira de aumentar o salário mínimo e aposentadoria. Até agora não disse de onde virão esses recursos. Nunca me transmitiu confiança!

O governo Lula é recorde em aprovação e referendo com ressalvas esta posição. Nem tudo na vida é perfeito.

Agora, que a Dilma foi uma escolha difícil de engolir, sendo que dentro do próprio PT tem quadros melhores, isso foi.

Vamos ver no que vai dá!

Forte abraço e obrigado pelo post.
Sérgio Ricardo