quarta-feira, 3 de novembro de 2010

De luto mais uma vez

Este texto foi escrito por um grande amigo. Na verdade, um grande irmão que eu ganhei. Esdras é filho do Tio Renato, grande companheiro e amigo de meu pai que foram colocar em prática as estratégias de lutas ao lado de nosso pai eterno DEUS!

Obrigado, meu amigo, pela mensagem e a compartilho com todos os meus leitores do blog. O que levamos desta vida são as amizades que fazemos.


DE LUTO MAIS UMA VEZ

Por Esdras Pereira

Após 44 dias do falecimento de meu pai deparo-me novamente com a infalibilidade da vida humana. Morreu essa madrugada, de maneira inesperada por um ataque fulminante ou qualquer explicação clínica dessas, o grande amigo intimamente chamado “Farias”. Farias foi sem dúvida o amigo e companheiro de meu pai por grande parte de sua vida. Cursaram a universidade juntos, sonharam e  trabalham por mais de 20 anos lado a lado. Nossas famílias se tornaram uma só e por isso hoje choro as lágrimas de quem perde mais que um grande amigo, de quem perde um parente.

Lembro-me de todas as vezes que fui ao trabalho de meu pai, das festas da empresa, das comemorações de aniversários em casa onde Farias sempre chegava com seu sorriso bonachão e sua barba branca. Lembro-me de ficar bravo com meu pai por ele passar horas no telefone conversando com Farias, como adolescentes tramando suas estratégias. Lembro-me das brincadeiras com Sérgio e André enquanto criança, da alegria e confusão da adolescência e da felicidade de vê-los hoje tão bem. Lembro-me de Kely em seu casamento, de seu primeiro filho e mais recentemente da felicidade de Farias e Alice durante o casamento de Sérgio. 

Durante toda a doença de meu pai, Farias ofertou toda sua amizade e de forma sempre alegre buscou passar as melhores energias a meu pai e minha família. Diante de toda a dor da perda, Farias se demonstrou o fiel amigo que auxilia desde os trâmites mais simples aos aspectos burocráticos da morte. 

Agradeço hoje a oportunidade de ter assistido boa parte dessa amizade verdadeira entre meu pai e Farias, de aprender o valor dos amigos-irmãos e de ser parte dessa história. Obrigado Farias pelo seu apoio, por sua generosidade e paciência comigo. Obrigado pela honra de tê-lo como meu amigo nessa hora de dor. 

Vai lá companheiro, aqui ficaremos com grandes saudades e seguiremos construindo a vida na simplicidade e no amor que você e meu pai nos ensinaram.

2 comentários:

Anônimo disse...

Abraços de Consolação
Oh, meu querido primo!
É com abraços de consolação que resumem estas palavras que carinhosamente lhe escrevo.
O sentimento que carrega o indivíduo que perdeu uma pessoa querida, muito querida, é abstrato nos corações das pessoas que não fazem parte do elo afetivo do referido relacionamento. Mas as minhas palavras não poderiam ficar ocultas diante do fato que muito lhe importa e essencialmente está guardado, com intensos afagos, num cantinho muito especial de seu terno coração.
Querido, eu não tenho o poder de consolar. Mas eu convido o Espírito Santo Deus que em Sua perfeita plenitude tem a melhor forma de liberar conforto para a sua alma, que então, sobrepujas a qualquer outro ser, em nome de Jesus.
Que o Senhor Deus lhe conforte de uma forma jamais vivida ou presenciada por ti. Que o Todo-Poderoso Deus muito lhe abençoe.
De seu querido primo Herivaldo (Valdin).

Sérgio Ricardo disse...

Valdin,

Você como sempre é surpreendente. Suas palavras são de ternas sabedorias.
Obrigado pelo gesto de carinho e com toda certeza ele está presente ao lado de nosso Pai Eterno.
Deus escreve certo por linhas tortas.
Meu primo, suas palavras deixa o meu coração em paz e harmonia.

Forte abraço!
Sérgio Ricardo