segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Não votem no bispo Rodovalho para Deputado Federal!


Prezados amigos, li na coluna Brasília – DF, escrita pelo jornalista Luiz Carlos Azedo do jornal Correio Braziliense, edição impressa nº 17.264 de sexta-feira, 27 de agosto de 2010, uma tira que tem a foto do deputado federal CASSADO (para lembrar a todos que ele se enquadra na lei da “ficha limpa”) Bispo RODOVALHO, filiado ao Partido Progressista – PP, o mesmo de Paulo Salim Maluf, Benedito Domingos, dentre outros políticos que não merecem elogios, que ele apresentou um projeto de lei que modifica a destinação do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), que hoje é utilizado para aquisição de bens imóveis pelos trabalhadores com carteira assinada e para financiar projetos de residências geridos pelo Sistema Brasileiro de Financiamento Habitacional (SBFH), destinando seus recursos a financiar obras para construção de igrejas.

Já não basta termos uma das maiores taxas de juros do mundo, interferindo no nível de poupança privada no país, aparece um deputado oriundo de templos evangélicos e que construiu um patrimônio pelo projeto da congregação Sara Nossa Terra a gerenciar e orientar o que os trabalhadores deverão fazer com o seu dinheiro? Já não bastam muitos fiéis perderem casas, automóveis, bens em forma geral, para financiar projetos como da Igreja Universal, por exemplo, doados como dízimos?

Cansei deste tipo de gente que o povo coloca para ser nosso representante. Não nos liberta para fazermos o que de melhor acharmos com o nosso dinheiro e os recursos dos trabalhadores, que não tem uma cultura de poupadores e necessitam que o estado advogue a favor constituindo uma lei que os protege, agora querem financiar propostas escusas como essa de financiamento de igrejas.

Não sou contra as religiões e nem as pessoas que as seguem. Só não acho justo algumas pessoas que têm outras concepções de mundo e outras crenças a participar, sem ser consultado, de projetos que favorecem a agremiações religiosas de qualquer tipo. O FGTS deve servir de escolha do trabalhador e a ele pertence esta poupança e não a qualquer governo definir o que é bom ou ruim para ser feito. Têm-se uma taxa de poupança baixa no Brasil porque temos ineficiência estatal e alta carga tributária. Elegemos nossos representantes para realizar as reformas estruturais que tanto a sociedade anseia e não para advogar em causa própria.

4 comentários:

Anônimo disse...

É meu amigo, é a industria da fé. Enquanto houver essa lavagem cerebral nas igrejas nós pagaremos por isso. Membros de entidades religiosas se valem da sua popularidade dentro de suas igrejas para se elegerem e quem paga somos todos nós. Também me cansei de tudo isso mas acredito que o povo tem o político que merece, só que todos nós sofremos com isso. Enquanto o povo nao tiver educação e não aprender a votar vamos continuar vendo isso várias vezes. Eu estou realmente CANSADO desses políticos que fazem o que querem com nosso suado dinheiro sem nos consultar. Mas como eu disse, a culpa é do povo que elege esses políticos porque é da mesma igreja ou tem algum interesse na vitória de determinado candidato.

Anônimo disse...

Mais uma vitória pra nós, Joaquim Roriz não poderá concorrer as eleições. A lei da ficha limpa está mostrando sua eficácia. Esse bando de políticos corruptos e cara de paú tem que ser barrado mesmo. Ninguem aguenta mais essa corja de políticos safados que roubam dinheiro do contribuinte e renunciam aos mandatos para concorrerem nas eleições seguintes. BASTA de tudo isso!!!

Anônimo disse...

Concordo,

Que bom que o judiciário brasileiro está empenhado, de fato, em contribuir com um país sem corrupção.

Marcos

Sérgio Ricardo disse...

Sou partidário dos pensamentos de vocês, Marcos e os outros dois que comentaram.

Até aqui se fez justiça, mas não podemos nos esquecer que ainda tem a decisão do Supremo que, nada mais é do que uma casa política, devido às indicações serem intermediadas por políticos com crivo do Presidente da República, não respeitando a meritocracia necessária na justiça como é feito na primeira instância, por exemplo. Vamos ver como será a votação. Acredito que temos salvação desse mal chamado Joaquim Roriz.

Obrigado a vocês pela participação. Os comentários são muito válidos e continuem contribuindo para este ambiente democrático.

Abraço!
Sérgio Ricardo