quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Roriz recorre a baixaria para incitar a violência


Existem vários tipos de violência, são elas físicas, intelectuais, morais, etc. Não precisamos elencar todas, mas devemos reconhecer que são perversas e que precisam ser tratados com atos de repúdio e indignação.

Todos os dias, a sociedade se confronta com todas, mas se deparam e se indignam com as violências físicas. Sejam motivadas por disputa de território, crimes passionais, por motivo esmo, por questões sociais, entre outros. Mas, a pior de todas as violências é a que denigre com injúrias e difamações e colocam um núcleo social a ser agressivo e defensor de uma causa estapafúrdia. Essa é a pior das violências, já que é promovida por líder que tem a “moral” de cultivar os costumes do seu povo.

Ao acompanhar o noticiário relativo às eleições que se aventuram em outubro próximo, não pude deixar de notar nas matérias que tratam do comício de Joaquim Roriz na cidade do Itapoã.

Mas o que este artigo tem a ver com a violência ora promulgada nas primeiras palavras escritas neste texto com o comício do candidato ao governo do Distrito Federal, Joaquim Domingo Roriz?

A minha resposta ao questionamento acima, caro leitor, é que uma liderança que pretende assumir um governo local, da magnitude e importância do DF para todo o país, por abrigar os poderes da república, instigou e provocou a violência de pessoas simples, levadas pela emoção do momento naquele ato político, quando convoca o povo a atacar o concorrente ao poder executivo local com palavras de baixo calão e difamações da honra e da moral do candidato Agnelo Queiroz, o principal oponente do ex-governador.

Como pode uma liderança, da magnitude e relevância do ex-governador, jogar aos eleitores que acompanhavam o comício que a cor vermelha é o satanás e que o oponente, por ser comunista, é adepto da violência sexual e física dos cidadãos, principalmente as crianças.

Este tipo de ditado nasceu com a antiga União das Repúblicas Socialistas Soviéticas – URSS que mergulhou o povo russo a miséria e tinha como uma de suas práticas a violência contra os opositores ao sistema. Os Estados Unidos da América, que bi polarizava o mundo contra os países socialistas do leste europeu que compunham o bloco da União Soviética no momento histórico conhecido como Guerra Fria, elevava o marketing e caracterizava os russos como comedores de criançinhas para amedrontá-las, como nas músicas do tipo boi da cara preta, dorme menino que a cuca vai pegar, etc. Não interessa muito entrarmos nesta análise, já que não sou fã do comunismo, mas faço uma análise imparcial dos acontecimentos históricos para compreender melhor o presente.

O que importa aqui é que o ex-governador, que concorre novamente ao posto de chefe do executivo local, que deve ser responsável pela segurança pública da população, incita com veemência o povo para atacar com atitudes cruéis os oponentes que não concordam com a sua linha política, da mesma forma que em 2002 invadiu a sede do Correio Braziliense para instalar o retorno da ditadura política, controlando matérias que vinculavam o seu nome a escândalos cada vez mais conhecidos da sociedade.

Governantes deste tipo é a “esperança” fadada ao fracasso, conforme o ditador Hugo Chávez que envolve a Venezuela em uma pobreza sem fim e diz ao povo que promove um governo bolivariano, com enfraquecimentos das instituições democráticas, com perseguição aos opositores do seu regime, com índices de inflação altíssimos, entre outros entraves que atrasam o país ao desenvolvimento econômico e social.

Joaquim Roriz concorre ao cargo de governador, mas com um espírito negativo maior que as atitudes que esperávamos do verdadeiro comunismo vermelho que foi implantando na antiga União das Repúblicas Socialistas Soviéticas – URSS. Ou seja, quem faz promessa para um povo sofrido, mantém o povo na miséria, incita a violência, persegue os opositores, não tem status nenhum para combater o comunismo, pela prática ser a mesma do comunismo soviético.

Talvez o vermelho comunista de Joaquim Roriz esteja escondido atrás do azul das cortinas que ele teima em não abrir antes do processo eleitoral.

5 comentários:

Anônimo disse...

Isso é um capeta goiano, isso sim!!!

Anônimo disse...

Sérgio, espero que você tenha muito sucesso com o seu blog. Você já iniciou bem a sua carreira de economista por demonstrar coragem. Não é qualquer um que se dispõe a divulgar a todos suas opiniões sobre os mais diversos assuntos. Você assumiu um desafio que será, sem dúvida, muito enriquecedor para a sua vida profissional. Acompanharei o seu blog sempre que puder. Parabéns.

Um abraço!
Rodrigo dos Reis Oliveira

Sérgio Ricardo disse...

Rodrigo, meu amigo.
Obrigado pelas suas palavras. Você não sabe o orgulho que tenho em saber que aprovou a minha iniciativa. Você é uma pessoa que tem um alto conhecimento econômico e que não quero perder contato jamais. Com você aprendo muito e agradeço, de coração, o apoio gerado.

Forte abraço e o blog está aberto.
Se quiser publicar um artigo, é só me mandar: sergiorsfarias@gmail.com

Sérgio Ricardo

Anônimo disse...

Quem é Roriz no jogo do bicho?
Certo Sérjão !!!
=D

Sérgio Ricardo disse...

hehehehe!!!!!!!

Ele era o 24, mas foi cassado. kkkkkk!!!

Obrigado pelo post.

Forte abraço!